Translate

29 de setembro de 2013

PINTURAS DE ABRAÃO - E O ESTILO BARROCO DAS PINTURAS








ARTE E BÍBLIA

ARTE EM PINTURAS DE ABRAÃO

A PINTURA DE ESTILO BARROCO



Abraão

O Primeiro Grande Patriarca Bíblico



Antigo Testamento


O Antigo Testamento contém a história do povo hebreu.

"Seus escritos foram compostos durante um período de mais de mil anos, até aproximadamente o final do século III a.C. Outras civilizações, como a egípcia e a babilônica, produziram também seus escritos religiosos e históricos, mas apenas os hebreus os reuniram em uma antologia sagrada. O resultado foi um épico religioso tão respeitado, que atravessou séculos e chegou aos nossos dias ainda sendo estudado e analisado por religiosos, historiadores e estudiosos do pensamento humano. Estudaremos, neste texto, apenas os personagens que julgamos mais importantes para se compreender a evolução do pensamento divino entre os homens, desde Abraão até Moisés, e de Moisés a Jesus. O conhecimento da história do povo hebreu é de fundamental importância para se compreender a história do cristianismo e sua evolução."



Música: "Barroca Judaica" (Halleluyah) Christian Giuseppe Lidarti
Compositor austríaco (1730-1795)
Soprano: Janet Pape




Abraão

Abraão do nome Abraham, Ibrahin, significa 'Pai de Muitos'.



Abraão foi da nona geração de filhos do Patriarca Noé

Abraão é da nona geração de Sem, o qual foi um dos filhos do patriarca Noé, que tinha sobrevivido às águas do dilúvio.

"Abraão é um personagem bíblico citado no Livro do Gênesis a partir do qual se desenvolveram três das maiores vertentes religiosas da humanidade: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. No entanto, os arqueólogos não encontraram nenhuma prova da existência de Abraão. É o primeiro dos 'Patriarcas Bíblicos' e fundador do monoteísmo dos hebreus."
"Segundo a Bíblia, no capítulo 12 do livro de Gênesis, Abraão recebeu uma promessa divina para deixar a sua terra e a de sua família. Tal chamado de Deus pode ter ocorrido quando Abraão já se encontrava com sua família em Harã.

Deus disse a Abrão:

 "Sai da tua terra e da casa de teu pai e vai para a terra que eu te mostrar.
 Em ti serão benditas todas as nações da terra".

Abrão obedeceu. Foi com Sarai, sua mulher, e seu sobrinho Lot para a terra de Canaan.

 Aí lhe apareceu o Senhor e lhe disse: "Darei esta terra aos teus descendentes".
(Gênesis 10:19)

"Abrão não tinha filhos.
 Uma noite, Deus disse-lhe:
"Levanta os olhos e conta, se podes, as estrelas do céu! A tua descendência será tão numerosa como elas".
Abrão acreditou em Deus e Deus imputou à justiça a sua fé.
Aos 99 anos de idade, Abrão teve outra aparição em que o Senhor lhe disse: "Daqui em diante não te chamarás Abrão mas sim Abraão, porque te destinei para pai de muitas gentes. Para o futuro, não chamarás a tua mulher de Sarai mas de Sara. Eu a abençoarei e ela terá um filho ao qual chamarás Isaac. Concluirei com ele uma aliança perpétua em favor da sua posterioridade".


Abraão na Estrada para Canaã


"Abraão Partindo para Canaã" - József Molnár
Pintor húngaro (1821-1899)

"Abraão na Estrada para Canaã" - Pieter Lastman
Pintor holandês (1583-1633)


Abrão sendo visitado por três anjos



"Abraão sendo Visitado por Três Anjos" - Albert Eckout
Pintor e botânico holandês (1610-1665)



"E os três anjos prometeram a Abraão que sua esposa Sara, daria à luz a Isaac - o filho da promessa (Gênesis, 18).
Abraão vê três pessoas nos anjos e um só Deus."









Francisco Bayeu y Subias
Pintor espanhol (1734-1795)





Rembrandt
Pintor holandês 

James Tissot
Pintor francês (1836-1922)

Francesco Zugno
Pintor do rococó italiano (1708-1787)




Giovanni Batista Tiepolo
Pintor italiano

Marc Chagall
Pintor russo-francês (1887-1985)

"Abraão e os Três Anjos" - Chagall
Pintor russo-francês (1887-1985)


Abraão, Sara e o Anjo

"Abrahan, Sarah e o Anjo" - Jan Provoost
Pintor flamengo (c.1462/5-1529)


"E Agar deu à luz um filho a Abraão;

Abraão chamou o nome 
do seu filho que Agar tivera, Ismael."

"Abraão Repreendendo Hagar e Ismael" - Guercino


Ismael -Primeiro Filho de Abraão

O primeiro filho de Abraão foi Ismael, que teve com Agar, a escrava de Sara.

"... Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz; toma, pois, a minha serva; porventura terei filhos dela. E ouviu Abrão a voz de Sara."
Por causa desta decisão de Sara, ela abriu as portas para a inimizade que existe, até hoje, entre judeus e árabes.
Agar, na posição de serva, teve que aceitar a decisão da sua patroa. Para ela não foi fácil mas era assim que tinha que ser feito.
Ela dormiu com Abraão e engravidou. Já grávida, ela desprezou Sara. Mas sua senhora a afligiu tanto, tornou sua vida tão difícil que ela decidiu fugir para o deserto. Lá, encontrando-se ela junto a uma fonte de água, apareceu um anjo que lhe disse:
"... Agar, serva de Sarai, donde vens, e para onde vais? E ela disse: Venho fugida da face de Sarai minha senhora.
  Então lhe disse o anjo do Senhor: Torna-te para tua senhora, e humilha-te debaixo de suas mãos."
 (Gênesis 16:8-9)


Pieter Lastman
Pintor holandês (1583-1633)



O Sacrifício de Isaac

"Deus experimentou Abraão e disse-lhe:

 "Toma Isaac, teu filho único a quem amas, para me ofereceres em sacrifício na montanha que eu te designar"."


DEUS POUPA ISAAC

"Então, do alto do céu, gritou o anjo do Senhor: 
"Abraão! Abraão! Não faças mal ao menino. Agora sei que temes a Deus pois não poupaste teu filho único para me obedeceres".

Abraão levantou os olhos e viu um cordeiro preso num espinheiro. Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto em lugar do filho. Então o anjo do Senhor disse pela segunda vez: "Já que para me obedeceres não poupaste o teu filho único, eu te abençoo. Dar-te-ei uma posterioridade tão numerosa como as estrelas do céu e a areia na praia marítima. Em um dos teus descendentes serão benditas todas as nações da terra".
Abraão viveu até a idade de 175 anos. Seu filho sepultou-o em Mambré, junto de Sara, sua esposa."



Rembrandt
Pintor barroco holandês (1606-1669)

Laurent de La Hire
Pintor barroco francês (1606-1656)

Ticiano
Pintor renascentista italiano (1485-1576)

Cigoli
Pintor barroco italiano (1559-1613)

"O Sacrifício de Isaac" - Marc Chagall
Pintor russo-francês (1887-1985)

"O Sacrifício de Isaac" - Caravaggio
Pintor barroco italiano (1571-1610)



Pintura Barroca

Pintura Realística - Dramática

"A arte Barroca na pintura imperou no século XVII. Esse período registrava um momento de transição espiritual na cultura ocidental, pois vigoravam dois padrões de ver o mundo: o paganismo e o sensualismo do Renascimento, e a permanência dos aspectos religiosos que faziam lembrar o teocentrismo medieval.
Em um tempo de infindáveis questionamentos sobre as visões teocêntricas e antropocêntricas, nasceu e desenvolveu o Barroco. O gosto pela Arte Barroca veio temperado pela aproximação de realidades opostas, pelo conflito e pelas contradições violentas que estavam diretamente ligadas ao contexto da época, ou seja, a visão de mundo do homem do século XVII. O Barroco surgiu na Itália e aproveitou de alguns, mas fortes, elementos da Renascença, transformando-os. "


"A pintura barroca é uma pintura realista, concentrada nos retratos no interior das casas, nas paisagens, nas naturezas mortas e nas cenas populares (barroco holandês). No norte da Europa, os pintores holandeses Rembrandt e Vermeer ampliaram os limites do realismo."



Características do Barroco

Composição simétrica, em diagonal - que se revela num estilo grandioso, monumental, retorcido, substituindo a unidade geométrica e o equilíbrio da arte renascentista.
Acentuado contraste de claro-escuro (expressão dos sentimentos) - era um recurso que visava a intensificar a sensação de profundidade.
Realista, abrangendo todas as camadas sociais.
Cenas dramáticas - escolha de cenas no seu momento de maior intensidade dramática.
Iluminação projetada - a luz não aparece por um meio natural, mas sim projetada para guiar o olhar do observador até o acontecimento principal da obra, como acontece, por exemplo, na obra acima "O Sacrifício de Issac", de Caravaggio.




Bíblia

"Estamos no mês da Bíblia, estabelecido neste mês justamente por causa de São Jerônimo, que, com seus estudos, traduções, interpretações, comentários e escritos nos facilitou o acesso a esse grande manancial de sabedoria transmitida pelos Livros Sagrados. A Bíblia, segundo o Magistério da Igreja, contém a revelação daquilo que Deus quis manifestar e comunicar a toda a humanidade, fazendo com que todos possam participar dos bens divinos.
O Concílio Vaticano II nos diz que “pela revelação divina quis Deus manifestar e comunicar a sua pessoa e os decretos eternos da sua vontade a respeito da salvação dos homens, para os fazer participar dos bens divinos, que superam absolutamente a capacidade da inteligência humana” (cf. “Dei verbum”, capítulo I, item 6).
Com efeito, a Bíblia significa coleção de livros, embora, costuma-se referir-se a ela como um livro único, na verdade, ela é uma coletânea de livros do Antigo Testamento e do Novo Testamento, em geral escritos em hebraico para o Antigo Testamento e grego para o Novo Testamento. O hebraico era um idioma falado pelas famílias semíticas e tudo o que contém nas Sagradas Escrituras nessa língua deve-se aos chamados escribas, fruto do laborioso e lento ofício a favor do povo escolhido. Já o grego era a língua dominante na época em que houve a divulgação da doutrina e vida de Jesus Cristo; por esse fato, o Novo Testamento foi escrito nesse idioma.
Em decorrência dessas línguas, contudo, a Bíblia era inacessível aos romanos, que falavam o latim. Então, Jerônimo, educado em Roma, conhecedor do latim e grego, após uma longa doença, sentiu o chamamento de Deus para a vida religiosa e se tornou padre da Igreja Católica.

Por volta do ano 374, ele foi para a Palestina, onde estudou hebraico e a interpretação da Bíblia. Inspirado por Deus, traduziu todos os livros da Bíblia para o latim, cuja tradução denominou-se “Vulgata”, pois o latim era a língua universalmente falada na época. O trabalho executado por São Jerônimo foi imenso, pois copilou, com fidelidade e dedicação, uma infinidade de documentos no decorrer das suas longas viagens pelo Oriente, do que resultou a edição adotada oficialmente pela Igreja Católica.
A “Vulgata” foi grandemente divulgada, inicialmente por meio de manuscritos feitos pelos monges nos mosteiros e, com o advento da imprensa por Gutemberg, no século XV, teve ampla divulgação. Hoje, é o livro mais vendido do mundo. Estima-se que foram vendidos 12 milhões de exemplares na versão integral, 13 milhões de Novos Testamentos e ainda 450 milhões de brochuras com extratos dos textos originais.

Um fato histórico trouxe um trauma enorme para os seguidores de Cristo: a chamada Reforma, dividindo protestantes e católicos. Os protestantes elegeram a Bíblia, excluídos alguns livros, como única maneira de inspiração divina. Os católicos, por sua vez, admitiram-nos juntamente com a tradição da Igreja, como formas de Deus falar aos homens, sempre com a interpretação do Magistério da Igreja.
Ainda aqui nos recorda o Concílio Vaticano II: “A Sagrada Tradição, portanto, e a Sagrada Escritura relacionam-se e comunicam estritamente entre si. Com efeito, ambas derivando da mesma fonte divina, fazem como que uma coisa só e tendem ao mesmo fim. A Sagrada Escritura é a palavra de Deus enquanto foi escrita por inspiração do Espírito Santo; a Sagrada Tradição, por sua vez, transmite integralmente aos sucessores dos apóstolos a palavra de Deus confiada por Cristo Senhor e pelo Espírito Santo aos apóstolos, para que, com a luz do Espírito de verdade, a conservem, a exponham e a difundam fielmente na sua pregação; donde acontece que a Igreja não tira a sua certeza a respeito de todas as coisas reveladas só da Sagrada Escritura. Por isso, ambas devem ser recebidas e veneradas com igual afeto e piedade” (cf. ("Dei verbum" – cap. II, item 9).
A Igreja sempre teve nos Livros Sagrados uma das fontes de inspiração e vida. Uma coisa, porém, é certa: após a invenção da imprensa, e agora com a versão da Bíblia nas línguas faladas em todo o mundo, ela é, na verdade, o livro mais divulgado e, hoje, fonte de inspiração para toda a humanidade.
E todo o manancial constituído pelas Escrituras Sagradas, portanto, devemos ao trabalho dedicado e persistente do grande exegeta, escritor e santo, São Jerônimo, o qual a Igreja o festeja no dia 30 de setembro, mês da Bíblia.
Ao concluir esta reflexão, faço-o com os versículos 103 a 105 do Salmo 119: “Como são doces ao meu paladar tuas promessas; mais que o mel para minha boca. Dos teus preceitos recebo inteligência, por isso odeio todo caminho falso. Lâmpada para meus passos é tua palavra e luz no meu caminho.”"
( Dom Orani João Tempesta - Arcebispo Metropolitano Rio Janeiro)





4 comentários:

  1. Excelente postagem, muito rica e completa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Felipe, por sua visita e comentário. Fico muito feliz que tenha apreciado esta publicação.
      Volte sempre.
      Denise Ludwig

      Excluir
  2. Parabéns pelo excelente trabalho. Fico feliz em encontrar pessoas que amam e se dedicam a arte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada!! Fico muito feliz também com pessoas, como você, que apreciam a arte, apoiam e se manifestam a favor.
      Obrigada e volte sempre!!

      Excluir