Translate

11 de novembro de 2013

PINTURAS DE PINHEIROS - ARAUCÁRIAS








ARTE E NATUREZA

PINTURAS DE PINHEIROS


Pinheiros Araucárias



No alto das montanhas lá estão eles, os altos pinheiros Araucárias, também conhecidos como pinheiros-Paraná, ou pinheiros brasileiros, com seus característicos cachos arredondados de folhas.





"Barbacena - Caminho para as Minas" - Johann Rugendas
Pintor alemão (1802-1858)

"Araucária" - Rugendas
Pintor alemão (1802-1858)



Música: "Suíte Per Gynt - Humor da Manhã" - Grieg





"Araucária e Bananeiras" - Eliana Yasbek
Pintora brasileira contemporânea

"Campos do Jordão" - Eliana Yasbek
Pintora brasileira contemporânea
"Paisagem" - Kurt Boiger
Pintor germânico-brasileiro (1909-1974)

Oswaldo Lopes
Pintor brasileiro (1910-1964)

"Araucária" - Lange de Morretes
Pintor brasileiro (1892-1954)

"Pinheiro" - Álvaro Borges Júnior
Pintor brasileiro contemporâneo



Van Gogh e seus Pinheiros

"Pinheiros do Sanatório de San Remy" - Vincent van Gogh
Pintor holandês (1853-1890)

"Ciprestes e Duas Figuras Femininas" - Van Gogh
Pintor holandês (1853-1890)



Araucárias em Fotografias









Araucária e a Pedra do Baú ao fundo - Serra da Mantiqueira (SP)






"Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina,
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas."


(Pablo Neruda)















Lenda da Araucária
"Certo dia, ao sair caçar, um índio encontrou uma onça e a curandeira da tribo inimiga, pela qual havia se apaixonado. Após matar a onça ele se aproximou da índia, que se assustou e desmaiou. Índios da tribo inimiga encontraram o caçador com a curandeira nos braços, pensaram mal do que viram e o mataram a flechadas. Diz a lenda que o índio se transformou em uma araucária e a índia em uma gralha azul. As gotas de sangue que pingaram eram os pinhões que a gralha azul enterra. As flechas eram os espinhos e o índio a árvore."

Gralha Azul com pinhão

Gralhas Azuis em uma araucária


A ave Gralha-Azul: "Cultivadora" das Araucárias
"A Gralha-Azul, uma bela ave que é símbolo do estado do Paraná, é bastante conhecida e respeitada, nesse local e em todo o Brasil, por ser a grande disseminadora das araucárias. Sem querer, a gralha-azul ajuda no plantio dessas árvores. O pássaro busca por pinhões e come parte das sementes e o restante enterra.
Coloca os pinhões no solo ou em troncos caídos e ainda dá pequenas batidas com o auxílio do bico até a completa introdução. Além disso, coloca folhas e materiais por cima para esconder onde estão as sementes."
Fonte: http://petfriends.com.br/blog/?p=475







As Pinhas e os Pinhões



















Nome científico: Araucária Angustifolia


"O pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia) ou pinheiro-brasileiro, também conhecido pelo nome de origem indígena, curi, é a única espécie do gênero encontrada no Brasil, planta com alta tolerância à baixas temperaturas de até -5°C.
Integra um grupo, onde seu gênero teve origem há cerca de 200 milhões de anos. Ocorre restritamente no hemisfério Sul e é composta por 19 espécies que estão distribuídas pela Austrália, Papua Nova Guiné, Nova Caledônia, Vanuatu, Ilha Norfolk, Brasil, Chile e Argentina; no Brasil, possui grande abrangência territorial, possibilitando a variação da espécie, dentre as variedades da Araucaria angustifolia encontramos: elegans, sancti josephi, angustifolia, caiova, indehiscens, nigra, striata, semi-alba e alba.
Sua distribuição geográfica engloba os ecossistemas de: Clima tropical úmido, Clima subtropical úmido e Clima subtropical de altitude. Mesmo sendo uma espécie exclusiva da Floresta Ombrófila Mista, o pinheiro-do-paraná ocorre em áreas de tensão ecológica com a Floresta Estacional Semidecidual e Floresta Ombrófila Densa, bem como em refúgios na Serra do Mar e Serra da Mantiqueira. No decorrer dos períodos geológicos, a A. angustifolia apresentou dispersão geográfica bastante diversa da atual, pois foram encontrados fósseis no Nordeste brasileiro (IBGE, 1992).
A copada majestosa das araucárias, voltadas para o céu a cinqüenta metros de altura, lhe confere um desenho característico. Canelas, imbuias e cedros formam um segundo extrato que cobre sub-bosques de erva-mate e xaxim. A fauna original tinha onças, bugios, cotias, catetos e a gralha-azul.
A utilização de sua madeira por serralherias, principalmente no estado do Paraná, colocou esta espécie na lista de plantas em extinção, hoje sua cobertura vegetal está reduzida à 2% da mata original, conhecida como Floresta de Araucárias; antes de sua extensa exploração, as matas de araucárias se extendiam por 20 milhões de hectares.
A Araucária é perenifólia, com altura variando de 10 a 35 m e DAP (diâmetro do tronco) entre 50 e 120 cm, quando adulta. O tronco é reto e quase cilíndrico; se ramificando em pseudo-verticilos, com acículas simples (folhas), alternas, espiraladas, lineares a lanceoladas, coriáceas, podendo chegar a 6 cm de comprimento por 1 cm de largura. Possui casca grossa (até 10 cm de espessura), de cor marrom-arroxeada, persistente, áspera e rugosa.
As “flores”, chamadas de estróbilo (não são caracterizadas como flores, pois não possui apectos morfológicos necessários á uma flor) são dióicas, ou seja, existe a “árvore fêmea e a árvore macho”. As femininas, possuem o estróbilo que são conhecidas popularmente como pinha e são bastante utilizadas em decorações em geral, inclusive na ornamentação de árvores de natal, já as masculinas são cilíndricas, alongadas e com escamas coriáceas, tendo comprimento variando entre 10 e 22 cm e diâmetro entre 2 e 5 cm (são menores que os estróbilos femininos).
Os pseudofrutos (os estróbilos após fecundados, geram as sementes, que são desprovidas do fruto e, portanto não são frutos) ficam agrupados na pinha que, quando madura, chega a pesar até 5kg." Fonte: http://naturezadivina.org.br/textos/araucaria-angustifolia/


Nenhum comentário:

Postar um comentário